quarta-feira, 14 de abril de 2010

caminhos a seguir
mesmas pernas
coma a grama
vomite o concreto
na sombra da árvore
não abra parada
rasuras no peito
não diga o que faço
não dite regras
que grito de raiva
quando me tropeça
entendo pouco
de encruzilhadas, na cruz
à margem da alma
almoço o cão que me saúda-de ódio.

Um comentário:

amig@s

aquilo que queria dizer.

Tecnologia do Blogger.