sexta-feira, 5 de agosto de 2011

do eco vazio de um poço
estalo da corda

no esforço dos braços
a vertigem do balde

na sede a sombra que trinca
a parede da água

3 comentários:

  1. coisa boa é encontrar versos bonitos e palpitantes numa tarde despretensiosa de sexta-feira. chega dá areia nos olhos de olhar a tela.
    vou ficar seguindo pra seguir ficando.
    bj, moça Dani!

    ResponderExcluir
  2. ecos de cacimba, sede de tantos líquidos que eu espargia


    beijo

    ResponderExcluir
  3. Ironia, talento, algum humor corrosivo, eis o que encontrei a cirandar por aqui...
    Acho que fiquei fã!

    Bj

    ResponderExcluir

amig@s

aquilo que queria dizer.

Tecnologia do Blogger.