terça-feira, 30 de agosto de 2011

depois de aproximar de você
fiquei com a sensação de
flutuar
um  hipopótamo andando
não ria
quando vejo hipopótamos
sinto como se flutuassem
aquela paz do peso
da gravidade sendo desafiada pelo peso

também tenho ouvido
poesias
de palavras simples

mesmo com céu branco
desamparado de nuvens

4 comentários:

  1. este teu poema me fez lembrar um mantra de Walter Franco:

    "gostas dos elefantes muito mais do que mim/eles são tão pacientes com seus dentes de marfim"


    beijo

    ResponderExcluir
  2. há quem tenha qualquer coisa de entorpecente em sua aura. lembrei me de um poema da líria:

    animal

    para mim o rinoceronte
    é um besouro que cresceu desmedidamente
    e trocou sua carcaça dura como um osso
    pelo couro grosso


    abraço

    ResponderExcluir
  3. rs...
    só me lembra a maneira como vc sempre ignorou meu amor,
    rinocerontemente leve...
    Si...

    ResponderExcluir
  4. o peso do nada é o bicho!

    beijo, dani.

    ResponderExcluir

amig@s

aquilo que queria dizer.

Tecnologia do Blogger.