sexta-feira, 3 de setembro de 2010

à Cláudia Pere
na noite que velamos o sono, nosso.
;


;


;


Noite árida. Céu pretejado de sinais na cama de bichos, pestilenta. Olhar de pensamento no que vira depois. Incerto. Uma onça abria caminho por uma nuvem que ligava mundos, e lambia a face, a saliva incorporava-se na pele, era sua também, saia saliva da sua pele. Gelo. ratos que corroíam o assoalho, lentamente, enquanto acariciava o coro peludo. Rezei para amanhecer. amanheceu, bicho. Nas pernas onças que movimentavam de maneira torta os pés. corpo, animal morto sem pele, na carne e sangue, mistura indecifrável. E a cabeça era um passarinho com penas, penas, sujas, inteiro, descabendo no espaço, desproporcional, das pernas. o retorno do possível, sentido. foi até o quarto, andando com as pernas de onça. Separou um vestido rasgado. embora queimando no caminho, no assento do mal que fez para alguém. Começou por suas pernas, a cabeça foi


2 comentários:

amig@s

aquilo que queria dizer.

Tecnologia do Blogger.