domingo, 4 de julho de 2010

útero cravado na
terra
dedos
lambem-me

[gastura]

sinto áspero
componho
gesto

2 comentários:

  1. como é bom ter um útero para enterrar todas as nossas dores. enterro o meu junto ao seu.
    caio s.

    ResponderExcluir
  2. eu gosto cada vez mais da tua poesia. quero-a, como nadar, voltar ao útero: refúgio, fuga. re-nascer.

    beijos.

    ResponderExcluir

amig@s

aquilo que queria dizer.

Tecnologia do Blogger.